Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Com um sorriso, chegas ao infinito.

Bem-vindo ao meu Blogue!

Com um sorriso, chegas ao infinito.

Bem-vindo ao meu Blogue!

22.06.22

Noite de Verão


Maria Neves

Noite quente de verão, sempre lembrada, O céu estava limpo e estrelado, O luar brilhava na enseada, O amor, estava mesmo ali ao lado. Nas dunas sentia a brisa do mar, A música que vinha do bar chamava, Mas nada haveria para desviar, Quem o amor verdadadeiro encontrava. Penso sempre neste lugar, Outrora fonte de amor e desejo, Onde o sol se põe no seu esplendor, Onde quem olha o mar, antecipa um beijo. Não haverá idade para amar, Não haverá alma à solta neste lugar, Não (...)
11.06.22

Asa Partida


Maria Neves

No silêncio da noite,     No meio da serra, De asa partida, Não passo da terra. Sou uma coruja, que viaja pelas estrelas Olho o céu estrelado, e vejo a Lua, No meio da noite, solto o meu canto, Viajo no chão, negra e nua, Foi-se a asa e o encanto. Sou uma coruja, que viaja pelas estrelas Na noite escura, vejo um mundo parado, Olho a copa do castanheiro, Não voo, não vou a outro lado, Estou parada no desfiladeiro. Sou uma coruja, que viaja pelas estrelas. Serei dura como uma pedra, (...)
08.06.22

“Fui ao Inferno”


Maria Neves

  Passara metade do dia, ensolarado e quente, após um curto tempo de férias, tão desejado, e que até àquele  momento, parecia tirado de um conto de fadas. Num contexto difícil de explicar, um passo em circunstâncias pouco seguras, e um grito. "Fui ao inferno". Um dia um doente  abordou- me, e utilizou esta frase. Na verdade confesso, foi como quem sente que não vai suportar, e vomita a própria dor. Respira... pensei com calma. Coloca gelo. Foi um entorse?! Repouso e um (...)
31.05.22

Desafios no Canteiro


Maria Neves

O Alecrim Tolentino e o Cacto Zabreu  Zabreu: Boa tarde Tolentino! Tenho novidades fresquinhas. Tolentino: Então Zabreu, conta lá! Zabreu: Então ouvi dizer que vamos mudar de canteiro? Tolentino: Sim, é verdade, a jardineira já me penteou, para ficar mais verde, e com mais flores. Zabreu: Ah, tu sabias, porque não me disseste? Tolentino: Porque não me apeteceu. E também tu, foste limpinho. Para ficares mais vermelho. O Verdinho também vai. Zabreu: Olha, então temos que (...)
15.05.22

O Tojo Amarelo Malaquias


Maria Neves

Vivo num  paraíso,  não tenho dono, É primavera, estou florido, Todo eu Sou um espinho medonho, Quem me tocar, ficará dorido. De amarelo me vesti, Sou destaque no pinhal, Ninguém se chega aqui, Sou "picudo", mas não faço mal. Pertenço ao mundo verde esquecido, Aquele que alguém pretende extinguir, Quando chegar o verão fico impedrenido, Pronto,  p'ro braseiro consumir. Sou o Tojo Amarelo Malaquias, Orgulho-me de ser quem sou, As abelhas visitam-me todos os dias, Serei (...)
12.05.22

Um Ano do meu Blogue


Maria Neves

Um ano de Blogue  COM UM SORRISO, CHEGAS AO INFINITO Foi precisamente neste dia,  e neste local, que decidi colocar finalmente por escrito, as minhas vivencias pessoais, os meus personagens, o meu projeto criativo,  dando a conhecer a minha outra face. Desde criança, sempre me senti atraída por livros. Muitos livros. Muitas estórias e muita história, muitas vivencias, muitos lugares, sem sair do quarto. E não só lia, como escrevia em prosa e poesia, sobre essencialmente a (...)
01.05.22

O Outro Lado


Maria Neves

O outro Lado do Ser, Do outro lado na Terra, Onde o destino é Sofrer, Onde passa uma nuvem de Guerra. Não, não posso ficar satisfeita, Vivendo num mundo de fachada, Onde a maldade espreita, Pela janela fechada. O mundo tem a porta trancada, Para a verdade não poder entrar, P'ra fazer valer a razão elencada, A quem não consegue escapar. Há armas em todos os lugares, Onde existe alguém que padece, Onde haverá sempre talares, Onde persiste sempre uma prece. Maria Neves            
22.04.22

Controvérsias


Maria Neves

Controvérsias “Se não valorizares os teus passos na vida, Ninguém os valorizará por ti, Mas não precisas ser valorizado por alguém, Desde que os teus pés subam os degraus que escolheste, Assente na responsabilidade que criaste “. Maria Neves  
20.04.22

O alecrim Tolentino e o cacto Zabreu


Maria Neves

Zabreu:      Querias vento Tolentino?   Para te limpar as poeiras do Norte de África,     As teias de aranha, As flores secas, As folhas velhas, Ai o tens, alecrim. Não sei como consegues,  manter essa verdura toda!... Sou um cacto infeliz, vermelho, que foi tão bonito. Estou feio e velho. Nem no Deserto suportei ventania assim. Gelado. Seco. Estou quase pelado. Estou a ficar roxo de frio. Tolentino: Farto de tanta amargura forjada, o Tolentino ramalhudo respondeu:     Ingra (...)
20.04.22

Cordas da Melodia


Maria Neves

O apelo da guitarra chamava, Cada nota naquela noite tinha sentido, O Poema a minha vida retratava, Tinha-me encontrado comigo. O pensamento tem sempre raiz, Que em profundo chão germinou, Cada frase cresce na matriz, De quem em vão por alguém, um dia clamou. Enquanto escrevo estas palavras, Reflito num passado recente, Como o som da guitarra estremece, Pensando neste mundo demente. Haverá tanto para agradecer, Tanto quanto, o viver nos chamou, Tal como acontece com a noite escura, Que uma manhã de sol derrubou.