Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Com um sorriso, chegas ao infinito.

Bem-vindo ao meu Blogue!

Com um sorriso, chegas ao infinito.

Bem-vindo ao meu Blogue!

22.06.22

Noite de Verão


Maria Neves

Noite quente de verão, sempre lembrada, O céu estava limpo e estrelado, O luar brilhava na enseada, O amor, estava mesmo ali ao lado. Nas dunas sentia a brisa do mar, A música que vinha do bar chamava, Mas nada haveria para desviar, Quem o amor verdadadeiro encontrava. Penso sempre neste lugar, Outrora fonte de amor e desejo, Onde o sol se põe no seu esplendor, Onde quem olha o mar, antecipa um beijo. Não haverá idade para amar, Não haverá alma à solta neste lugar, Não (...)
12.05.22

Um Ano do meu Blogue


Maria Neves

Um ano de Blogue  COM UM SORRISO, CHEGAS AO INFINITO Foi precisamente neste dia,  e neste local, que decidi colocar finalmente por escrito, as minhas vivencias pessoais, os meus personagens, o meu projeto criativo,  dando a conhecer a minha outra face. Desde criança, sempre me senti atraída por livros. Muitos livros. Muitas estórias e muita história, muitas vivencias, muitos lugares, sem sair do quarto. E não só lia, como escrevia em prosa e poesia, sobre essencialmente a (...)
29.04.22

Sopros de Alento


Maria Neves

  Sem ver o mar,         Sem sentir na falésia o rugir do vento, Sem sentido para caminhar,   Um "suplício" que ainda hoje não entendo. Foi algum tempo de clausura, Ninguém poderá entender, Numa completa amargura, Do nascer do dia, ao anoitecer. Invadida de angústias, e do que a medicina estabeleceu, Não, não pode ser, O que nunca imaginei aconteceu, Uma atrás da outra, fazer-me-há crescer. Um sopro de vida acontece, Quando a rua te parece outro país , Quando te (...)
13.02.22

O canto do Corvo


Maria Neves

Há Corvos a cantar  Estávamos em Abril, o dia estava quente, o céu estava limpo, mas o vento  soprava de sudoeste.  Eu estava a estudar para uma  "Frequência" no sótão da casa. Ouvia-se o som do cantar do Corvo no pinhal da Quinta,  situada na Beira Litoral. Ave preta,  muito inteligente e não pronúncio do mal. Segundo os trabalhadores agrícolas era um " boletim meteorológico ". Quando ouvíamos o canto do Corvo ao fim da tarde,  haveria  queda de chuva nos dias (...)
11.01.22

O Paraíso das Ondas


Maria Neves

Olhando o horizonte, Sobre o mar de Janeiro,  A onda se forma longe, Trás o mar por inteiro. A espuma branca brinca nos rochedos, O Sol ilumina a miragem, Quantas estórias e segredos, Omissos nesta paisagem. Uma gaivota faz uma viagem, Em que eu gostaria de participar, No paraíso das ondas, Ao vento e livre,  sobre o nosso mar. No paraiso das ondas há magia, A força da maré e a Lua combinam, Pura verdade, não utopia, O destino e a força da onda determinam. Maria Neves    
02.01.22

Esculpindo nas águas do Mar de Inverno


Maria Neves

Olhando o infinito azul do mar, Penso em cada passo que dei, Visto-me de sensações únicas p'ra contar, Sobre o trajeto que prolonguei. Esculpindo nas águas do Mar de Inverno,  Vou desenhando sobre as ondas batidas, Castelos de cinzas de um passado eterno, Vislumbrando no horizonte, lutas perdidas. Os trilhos da água têm um segredo, Onde a poesia desenha o seu rumo, Esculpindo nas águas do Mar de Inverno sem medo, Sobre a métrica flutuante de um prumo. Vivendo em pleno,  as (...)
01.12.21

Uma manhã de Dezembro


Maria Neves

Pela manhã, ao longe o mar cinzento, Faz-me aproximar para perceber, Se é verdade, ou é a chuvinha que cai lento, De perto vou ver para querer! O mar mudando de cor eu não lembro, A chuvinha parou, o sol despertou, Era uma manhã de Dezembro, Que um pouco atónita me deixou. O vento soprando do norte despertou, As ondas, com o sol foram brincar, E a manhã de Dezembro conquistou, Uma vista nobre, sobre uma tela invulgar. A chuva, o mar e o sol despertaram os meus sentidos, Numa (...)
24.11.21

A voz do vento


Maria Neves

Como é bom ouvir a voz do vento passar, As ondas obedecem-lhe com prontidão, No Forte da Luz,  ouvem-se rebentar, Por um raio de luar, vejo a sua imensidão. Uma noite de outono fria e escura, Trás pensamentos duma infância vivida, As montanhas tratavam o vento com ternura, Sinónimo duma infância nunca  esquecida. Noites  brancas de geada, brilhavam como vidro, Falava-se de Eça, Pessoa ou religião, Eu sempre preferi o meu livro, Outros viam o mundo na televisão. Hoje recordo (...)
19.11.21

Afinal, quem virei a Ser Eu...


Maria Neves

Não, não quero ser mais um, Que acha lindo uma palhaçada num canal da TV, ou a vida de alguém bem sucedido, numa rede social,   e dai projecta o seu modo confortável de vida, sem esforço e sem trabalho. Vivendo numa existência não existente, num monólogo idealista e sem futuro. Não, não quero ser mais um, Que ignora a miséria do planeta, onde devido catástrofes naturais, guerras, conflitos éticos e religiosos, assiste de bancada  há fuga das pessoas que buscando uma (...)
12.10.21

Um Ser e o Mar


Maria Neves

Existe algo por descobrir,  Para além do horizonte, Talvez a promessa por cumprir, Quando bebi a água da Fonte. Tanto mar, tanto sol, e um sonho, Tanto ainda por viver, Vivendo num mundo enfadonho, Tanto que alguém não quiz ver. O mar mostra a sua imensidão, Neste Outono quente e bondoso, Com ondas baixas que vêm e vão, Neste lugar magestoso. Junto ao mar no entardecer, Uma gaivota anuncia  Líberdade, Entre o céu  e o mar faz estremecer,   A vida que leva de Verdade. Maria Neves