Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Com um sorriso, chegas ao infinito.

Bem-vindo ao meu Blogue!

Com um sorriso, chegas ao infinito.

Bem-vindo ao meu Blogue!

01.07.24

Um Sonho


Maria Neves

  Um Sonho Dançam anjos na estrada, Ao som das ondas do mar, Não há Lua na noite encantada, Não há Luz neste lugar. Pássaros brancos no rochedo, O vento canta ao passar, Traz um recado, um segredo, Enviado pelo nosso Mar. La longe, corre um rio, Nas margens crescem flores, Mata sede ao regadio, Testemunhou grandes amores. A manhã parecia distante, Quando uma luz se anunciou, Com um ruído precipitante, E dança dos anjos findou. Maria Neves
20.03.24

Sensações


Maria Neves

O dia começou bem cedo, Uma brisa fresca passou, Lembrou o rio, e o arvoredo, Uma récita, que alguém declamou. Uma nuvem alta corria, O Sol de Março estava quente, Perto dos pássaros sorria, Na sua presença eloquente. Um raio de prata junto da serra, Estremece o chão ao anoitecer, Emana o perfume da terra, Canção da chuva, para enaltecer. O tempo,  aliado que fortalece, A raiz,  que não deixa o sonho fugir, A seiva da vida prevalece, E não permite a memória ruir. Maria Neves   (...)
09.02.24

Horizontes De Espuma


Maria Neves

Avisto o rochedo, no mar inquieto, Repouso o olhar, ao longo da ponte, Esperança cativa, neste mundo manieto, Talvez as respostas no horizonte. Sente-se o cheiro da primavera no ar, Voltam os pássaros que seguem a rota, Olhando para cima, não vejo um altar, No oceano, nem barco nem frota. Olhando em frente do nada, Ouve-se uma voz que não fala, proclama, A sua mentira sublimemente ensaiada, Num tom moribundo que já não inflama. Olhando de cima, piso este chão, A pedra branca, (...)
07.01.24

Lentes De Bruma


Maria Neves

Ao longe o mar azul desafia, Conta histórias aos rochedos, Só eles sabem, eu nada sabia, Que o mar também, esconde segredos. Sopra o vento frio do Norte, Da onda, voa a espuma gelada, Toca no sopro, no desnorte, Onde a humanidade se vê trancada. Viajando pelo horizonte, Onde o desejo confunde, Onde o forte se esconde, Onde o profundo do Ser, Sucumbe. Ao crepúsculo, lentes de bruma, O manto voraz da mentira, Em que a verdade não se acostuma, No rumo que nunca assentira. Maria Neves   (...)
11.12.23

Primavera Em Dezembro


Maria Neves

Estou tão triste neste canteiro, Outros,  floridos e encantados, É só chuva, e nevoeiro, E os meus botões abotoados. Quero o frio de Dezembro, Quero o corrupio do vento norte, Sou pequenina, mas não lembro, Um Tempo com tanto desnorte. As roseiras estão floridas, As canas crescem no desfiladeiro, As palmeiras tem folhas compridas, Eu, de botões cheia no canteiro. Sou só uma pequena cameleira, Que oferecia flores pelo Natal, Mas o tempo trocou-me as voltas, E não, não haverá (...)
15.11.23

Um Lindo Dia


Maria Neves

O sol brilhou naquela manhã, A última gota de orvalho secou, Para trás a terra guardiã, Que o crepitar do fogo calou. Viajar para outro lugar, Vencer pela razão, Recusar apenas lutar, Por algo que não é seu chão. Encontrar um bem supremo, Algo difícil de descrever, Viajar em barco sem remo, Onde a vida se faz viver. Caminhar à luz do luar, Ouvir o mar que fica tão perto, Sem motivos para alcançar, Prados verdes no deserto. Maria Neves  
02.10.23

Não, Ninguém Quer Ver


Maria Neves

A noite de luar acabou, O horizonte vermelho de frente, O tempo, esse mudou, Não posso ficar indiferente. Assemelha -se a um manto, Que desliza para um lado, Não, não há pranto, Apenas alguém abalado. Todos olham a nuvem que passa, Há tempestade no Ser, Nem terra, nem monte afasta, Porque há nuvem, mas não vai chover! Acontece, é um fardo pesado, Não, Ninguém quer ver, Mais fácil viver no passado, Ser obediente, e nada resolver. Vejo o mar que viaja em vai-e-vem, Viajo no (...)
08.09.23

Nunca Poderei Esquecer


Maria Neves

  O ruído do vento que sopra da serra, O ranger da porta que se fechou, O grito da esperança que sai da terra, O que o tempo não levou. Sigo na direção dos meus sentidos, Que há muito tempo deixei, Onde sonhos foram vividos, Onde com a coruja, à noite cantei. Sigo por pontes de pau, Debaixo, uma torrente de lama, Mas o caminho não será tão mau, Quando algo muito bom me chama. Não esqueço o Dezembro frio, O calor da lareira, a oração, O autor do livro, o trovão, e o rio, (...)
26.08.23

A Fonte da Pena


Maria Neves

  Pela estrada da noite viajei, Toquei na névoa do amanhecer, No cume da serra pernoitei, Percorri léguas a descer. Procurei na berma da estrada, Uma fonte com água fresca, Só encontrei erva castrada, Em solo árido, nada refresca. Rios e mares do Sul guardais, As mais frescas águas do desejo, Sussurrem vossos caudais, Que sobre este calor tórrido, almejo. De repente, avisto da ponte, A pêga branca que voa serena, Verdes jardins na base do monte, Encontro, a Fonte da Pena. (...)
24.08.23

Essências da Noite


Maria Neves

O céu é cor de fogo, Ao crepúsculo, sobre a serra, Vivências, com algo de novo, Cheiros de mar e de terra. A noite cai poderosa, O luar desfaz a escuridão, A coruja, exibe sua voz charmosa, Este lugar não tem multidão. Madressilva, bétula, bergamota, Juntam essências na maresia, Do céu da noite, não cai uma gota, Mas a brisa do mar, faz a cortesia. Algarve em Agosto... Maria Neves